Indicadores da pandemia têm queda em BH, mas níveis ainda são elevados

Taxa de ocupação em leitos de enfermaria e número médio de transmissão por infectado estão no nível amarelo, já vagas em UTI, continuam no vermelho

Entre a última sexta-feira (15) e esta segunda-feira (18), os indicadores mais importantes que dão noção à situação real da pandemia de coronavírus em Belo Horizonte tiveram uma leve queda. No entanto, os níveis ainda exigem atenção máxima.

Conforme o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, a taxa de ocupação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para pacientes com Covid-19 está em 82,9% atualmente, no nível vermelho de atenção – era de 83,4% no fim de semana. Lembrando que esse índice bateu recorde há exatamente uma semana, quando atingiu 86,5%.

Já a ocupação em leitos de enfermaria para vítimas da doença está em 68,5%, no nível amarelo, contando os espaços em hospitais públicos e privados. Na sexta-feira, percentual estava em 69,3.

Por fim, o número médio de transmissão por infectado (Rt) é de 1,07, também no nível amarelo, de acordo com a prefeitura – isso significa que a cada 100 pessoas doentes, outras 107 se infectam pelo coronavírus. Há três dias, esse valor era de 1,09.

Recorde

Nesta segunda-feira, BH bateu o recorde de novos casos de coronavírus a cada 100 mil habitantes. Os dados apontam que, para essa parcela da população, aproximadamente 398 pessoas pegam a Covid-19.

Esse dado aponta para um crescimento de 142% com relação a esse dado apenas em 2021, já que no dia 1º de janeiro esse número era de 164.

A capital mineira registrou até o momento 77.302 casos confirmados de coronavírus, sendo que 2.042 evoluíram a óbito. Ao todo, 69.079  habitantes se recuperaram da doença.

 

Com informações do OTempo