Influenciador faz comparação com Eliza Samúdio e é alvo de investigação

ministério público influenciador postagem eliza samúdio
Ministério Público vai investigador influenciador por postagem (Ministério Público do Acre/Divulgação + Reprodução/alexthomaxtv/Instagram)

O Ministério Público do Estado do Acre abriu uma investigação contra o influenciador digital Alex Thomas, após uma postagem na qual ele sugere que uma mulher “encontraria o seu Bruno”, em alusão ao goleiro condenado por assassinato da modelo Eliza Samúdio. A publicação do rapaz, que excluiu a postagem, está sendo investigada por indícios de apologia ao crime.

A publicação foi feita nessa terça-feira (27) durante adaptação de uma brincadeira que virou febre no Instagram – abrir uma caixa de perguntas nos stories do Instagram com o questionamento: “Com quem eu pareço”. O influenciador decidiu pedir para os seguidores citarem nomes de pessoas de Rio Branco para que ele mesmo falasse com qual personalidade aquela pessoa se parecia.

“A cara da Eliza Samúdio, uma hora ele encontra o Bruno”, escreveu o Alex Thomas, que possui 25 mil seguidores e uma coluna chamada Hora do Veneno, ao se referir a uma mulher. Além do texto, ele colocou uma foto da Eliza com o filho, ainda bebê, no colo. Eliza foi assassinada em 2010 e a Justiça condenou o goleiro Bruno Fernandes pelo crime.

Publicação que iniciou a investigação do MP (Reprodução/alexthomastv/Instagram)

Após a repercussão negativa, o influenciador restringiu o acesso à própria conta, no Instagram, e deletou a publicação. Na nova comparação, Alex disse que ela parecia com Irene, vilã da novela A Força do Querer que chegou a matar e traiu a melhor amiga. Na legenda, ele escreveu: “Como alguns acharam pesado, vou mudar a personagem, que está no mesmo rumo… desde já me desculpo… #paz”.

A nova comparação após repercussão negativa (Reprodução/alexthomastv/Instagram)

Investigação

O Ministério Público acreano está apurando eventual ocorrência de apologia ao crime na postagem. O Centro de Atendimento à Vítima (CAV) tomou conhecimento da publicação e encaminhou para a Promotoria competente. Bruno Fernandes de Souza foi condenado a 22 anos e 3 meses pelo assassinato de Eliza Samúdio.

Além disso, também foi acusado de sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. Ele havia sido condenado por ocultação de cadáver – o corpo da vítima nunca foi encontrado, mas esta pena foi extinta porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu. A prescrição é a perda, em face do decurso do tempo, do direito do Estado de punir.

Em tese, o post configura apologia ao crime, cuja pena é detenção, de três a seis meses, ou multa. Será apurado se houve eventual responsabilidade criminal. O Ministério Público afirmou, em nota, que “o CAV avalia adoção de outras medidas, inclusive de caráter preventivo, tendo em vista que esse tipo de publicação é inaceitável, especialmente porque o Acre lidera o ranking nacional de feminicídio”.

Maior taxa de feminicídio do país

O Acre tem números preocupantes em feminicídio. Esse tipo de crime ocorre quando as mulheres são mortas por conta do gênero. No primeiro semestre deste ano, o estado apresentou um aumento de 170% na taxa de mulheres assassinadas, em comparação com o mesmo período de 2019.

Os dados são de levantamento realizado pelo G1 e indica que o estado acreano teve a maior taxa de feminicídio do país: 1,8 a cada 100 mil habitantes. É o triplo da taxa nacional, que é de 0,6 a cada 100 mil mulheres.

Com informações do site BHZ