Medo de voltar para cadeia levou dupla a matar motorista de app após roubo

Vítima foi morta com requintes de crueldade após um dos criminosos temer ser reconhecido; crime aconteceu na virada do ano novo em Vespasiano e suspeitos de 18 e 19 anos foram presos neste mês

Conhecido como um homem bom, trabalhador e sem nenhum envolvimento com o crime. Assim era definido por familiares e amigos Anderson Coelho Alves, 27, que há três anos atuava como motorista de aplicativo. Depois de decidir estender a jornada por conta do preço dinâmico na virada de ano novo, a vítima desapareceu. “Ele fez o último contato com a família na madrugada do dia 31 para o dia 1º, depois não entrou mais em contato. A mãe fez um boletim de ocorrência do desaparecimento”, revelou o delegado Thiago Araújo.

No dia seguinte, Anderson foi encontrado morto em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte, com requintes de crueldade. E após pouco mais de 20 dias de investigações, a Polícia Civil concluiu o inquérito e desvendou o crime, praticado por dois jovens de 18 e 19 anos. Conforme o delegado, uma corrida entre os bairros Novo Horizonte e Nova Iorque foi solicitada pelo celular da mãe de um dos suspeitos. No caminho, eles anunciaram o assalto, encerraram a corrida, mas seguiram com o veículo até uma área de depósito de lixo na região do Morro Alto.

E a justificativa para o assassinato foi o “medo” do suspeito de 19 anos voltar para a prisão. “O jovem que confessou o crime, que tem 18 anos, disse que o autor que ficou calado decidiu matar a vítima com a justificativa de que não queria voltar para a cadeia, supondo que o motorista poderia reconhecê-lo futuramente, caso acionasse a polícia”, explicou o delegado. O corpo de Anderson foi localizado com as mãos amarradas por um fio de carregador de celular e um corte profundo no pescoço próximo a sacos de lixo. Os olhos da vítima ainda foram perfurados e as calçadas estavam abaixadas até o joelho.

Os jovens levaram o celular, dinheiro e outros pertences pessoais da vítima. Já o veículo foi abandonado no mesmo local.

Frieza de um dos suspeitos

“A crueldade do crime sempre deixa uma dúvida sobre a vítima. E ela não tinha nenhuma passagem criminal, nada. Era conhecido como um bom filho, trabalhador, sem qualquer ligação com o crime. A frieza com que um deles (dos jovens) relatou o crime era assustador”, complementa o delegado Thiago Araújo.

Durante as investigações, testemunhas ainda confirmaram que a dupla entrou no veículo do motorista de aplicativo. Para chegar aos criminosos, os policiais solicitaram todas as corridas realizadas pela vítima às duas plataformas – Uber e 99 – na data do desaparecimento. “O irmão do motorista foi uma peça muito importante na investigação. Logo após encontrar o veículo, passou a frequentar as imediações junto com os militares para descobrir quem tinha deixado o carro ali. Foi assim que chegamos ao nome dos dois principais investigados”, declarou o delegado.

A participação de um terceiro suspeito foi descartada. Os jovens estão detidos e já possuíam uma extensa ficha criminal, com passagens por tráfico de drogas, roubo, furto e até homicídio.

 

Com informações do OTempo