Casa de menino mantido acorrentado em barril é invadida e vandalizada

Menino mantido em barril
Caso ganhou repercussão nacional e gerou revolta na vizinhança (Polícia Militar de Campinas/Divulgação)

A casa em que um menino de 11 anos era mantido acorrentado pelos pés e mãos dentro de um barril de ferro, em Campinas (SP), foi invadida e vandalizada na noite dessa segunda-feira (1º), depois que o caso tornou-se público. Objetos e móveis da casa foram revirados e, segundo delegado que investiga o caso, o vandalismo teria sido cometido por vizinhos indignados.

O tio do garoto de 11 anos, resgatado no fim da tarde de sábado (30), contou à EPTV que a casa ficou “destruída”. Já o delegado José Henrique Ventura, diretor do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter 2), afirmou à emissora que a atitude é condenável. Afinal, ela é considerada crime de dano ao patrimônio, com pena de um a seis meses de detenção.

“Isso é dano doloso. Depredar patrimônio público ou particular é crime de dano, e se muita gente estiver envolvida, pode até caracterizar uma associação criminosa. Não se pode fazer justiça com as próprias mãos”, afirmou o delegado à EPTV. Ainda de acordo com ele, o vandalismo não atrapalhou a investigação da polícia, já que o que precisava ser recolhido e fotografado já está com a corporação.

Revolta

Ainda segundo a emissora, o caso, que ganhou repercussão nacional, gerou revolta na vizinhança. “Quando mandaram os vídeos com o menino, fiquei horrorizada com a situação. Sempre morei por aqui, nunca imaginava. Não fui até lá, mas até comentei com minha mãe. Vandalismo, quebrar as coisas, não adianta”, contou uma mulher de 30 anos que mora perto da casa onde a criança foi encontrada.

O caso

Vizinhos de uma família que vive em Campinas (SP) ajudaram a PM a colocar fim ao sofrimento do garoto de 11 anos, que era mantido acorrentado pelos pés e mãos dentro de um barril de ferro. No local, policiais militares prenderam três pessoas suspeitas de manter a criança em tais condições. As informações são do G1.

Segundo a PM, moradores da região informaram que a criança deixou de frequentar a escola e de brincar pelo bairro. Já no local, os policiais viram que o menino tinha que ficar de pé dentro do barril e também fazia necessidades fisiológicas no pequeno espaço. Uma pia de mármore por cima de uma telha cobria o barril e impedia que o menino saísse dele.

A criança apresentava sinais de desnutrição e estava completamente nua, além de ter as pernas inchadas por ter que ficar de pé. Os policiais removeram as correntes do menino e uma equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) o levou a um hospital da região. Um vídeo gravado pelos policiais mostra que a criança sentia fome. “Só queria comer”, diz ainda debilitado. O garoto segue internado, sob tutela de uma tia paterna.

Presos

Os policiais tiveram acesso à casa em que o garoto era mantido preso após autorização de uma jovem de 22 anos. Ela é filha da namorada do pai do garoto. A mulher, 39, e o homem, 31, foram surpreendidos com a PM já em casa. Os dois haviam saído para ir ao supermercado e detidos na volta.

O pai do garoto argumentou que o mantinha preso por “dar trabalho” dentro de casa. Um delegado determinou que ele ficasse preso com base nas condições em que o menino foi localizado.

A namorada do pai e a filha dela podem responder por omissão de socorro, já que sabiam dos maus-tratos e nada fizeram para impedir. Uma fiança de R$ 5 mil foi determinada para a soltura delas, mas não há informações a respeito dos pagamentos.

Com informações do site BHZ