Ônibus de BH ficam cheios após reabertura do comércio, e passageiros reclamam

BHTrans e Setra-BH informaram que houve aumento do número de viagens desde segunda-feira (1º) e monitoram para que oferta de transporte atenda à demanda

A flexibilização do comércio em Belo Horizonte nesta semana começou a sobrecarregar o transporte público da capital. Nesta terça-feira (2), a reportagem de O TEMPO viu ônibus cheios, sem distanciamento social entre os passageiros, e ouviu reclamações de usuários do sistema no centro da capital.

A BHTrans informou que com a ampliação do funcionamento da economia o quadro de horário do transporte coletivo de Belo Horizonte está sendo reforçado. Cerca de mil viagens foram acrescidas em relação à oferta praticada durante o fechamento, segundo a empresa.

O vendedor Maycon Dias, 35, correu para tentar pegar o ônibus da linha 61 Venda Nova/Centro na estação do Move Carijós mas não conseguiu. “Agora é esperar outro, e está demorando, na ida e na volta. Pode ver que a fila dele fica sempre cheia”, diz. No fim da tarde desta terça-feira, os ônibus dessa linha estavam cheios, com passageiros em pé e sem distanciamento.

Outra linha alvo de reclamação é a 50 Estação Pampulha/Centro. A auxiliar de serviço administrativo Márcia Marques relata que tem assistido a constantes cenas de aglomeração no coletivo. “Ônibus sempre está faltando. E antes o pessoal tinha paciência, esperava sua vez de entrar. Agora, não, quando o ônibus chega, é aquela muvuca. A minha linha é uma das que ficam mais lotadas”, conta.

Sobre as reclamações pontuais de linhas lotadas e demoras, o Sindicato das Empresas de Transporte de Belo Horizonte (Setra-BH) disse que os usuários podem entrar em contato com o número (31) 3248-7300, informando número da linha e do ônibus, horário e local da ocorrência, para que o veículo seja identificado e o problema corrigido com mais agilidade e rapidez.

Ainda segundo o Setra-BH, as viagens já receberam um aumento entre sgunda e terça-feira. O sindicato informou que profissionais do Setra-BH e da BHTrans estão acompanhando a evolução diária da demanda para definir os ajustes necessários ao longo da semana.

Descuido com higiene e distanciamento. 

Uma cabine de desinfecção e um frasco com álcool disponibilizados no interior da estação Carijós do Move praticamente não estavam sendo usados pelos usuários no horário de pico desta terça-feira. O distanciamento nas filas também não estava sendo respeitado na plataforma da estação. E a maior parte das pessoas estava usando máscaras.

O Setra-BH informou que o cumprimento das medidas de prevenção ao coronavírus depende da colaboração da população e que as empresas de ônibus não podem impedir um passageiro de embarcar em um coletivo que esteja lotado.

Já a BHTrans garantiu que os ônibus são higienizados antes de cada viagem e que os passageiros são orientados a não entrar em um ônibus que já tenha atingido a capacidade máxima. De acordo com a empresa, desde março do ano passado foram aplicadas 19.812 autuações aos consórcios por descumprimento das regras de contenção da pandemia.

 

Com informações do OTempo