Governo de MG clama população ao isolamento: ‘onda roxa não pode ser só uma cor’

Governador Romeu Zema e secretário de Saúde do Estado fizeram duras críticas sobre relaxamento de cumprimento de medidas

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), e o secretário de Estado e Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, fizeram um apelo para que a população do Estado siga os protocolos mais restritivos da onda roxa, que vai vigorar por todo o Estado durante 15 dias a partir desta quarta-feira (17). “Não temos a capacidade de transferir pacientes de uma região para outro. A onda roxa não pode ser uma cor no mapa. É preciso que cada mineiro entenda isso. Não adianta fechar o comércio se não se mudar os hábitos. O mineiro foi um exemplo, mas, com o tempo, veio relaxando”, declarou Baccheretti.

“Já corremos uma maratona e estamos agora nos últimos metros e precisamos desse sacrifício final. Em nenhum momento, adotamos uma medida extrema como estamos adotando. Começamos a assistir cenas de horror, pessoas clamando por atendimento, e não temos vagas nas unidades de saúde. É isso que queremos em Minas? Ver as pessoas morrendo na rua? Tenho certeza que essa não é a opinião do povo mineiro. Não queremos que Minas Gerais seja palco de cenas das mais tristes que nós já vimos, infelizmente, em alguns lugares”, declarou Zema.

O secretário também frisou que a nova cepa que está circulando no Estado pode gerar sintomas mais brandos, mas, que quem estiver com eles, precisa guardar ainda mais o isolamento social. “Não vamos achar que o nariz escorrendo é uma sinusite. Não vamos achar que a dor de cabeça é uma enxaqueca. Está circulando uma nova cepa. Esse vírus parece um resfriado comum. Depois, vira uma gripe forte. Depois, uma pneumonia. E todos sabem o desfecho”, declarou.

Veja quais atividades podem funcionar na onda roxa em Minas

Zema, ao ser questionado com um exemplo (de um comerciante que afirmou que prefere morrer de Covid do que de fome e, por isso, não fecharia seu negócio), fez uma dura constataçao e lembrou que a responsabilidade, neste momento, é coletiva: “Vejo uma pessoa egoísta. Ele pode falar que prefere morrer de Covid, mas o vizinho não prefere. Não é uma questão do que interessa a mim, mas o que posso contribuir para os demais. Cada um é dono de si, mas se o que faz coloca outros em risco, é diferente”, declarou. O governador anunciou que pretende criar um auxílio aos comerciantes para enfrentarem esse momento da pandemia.

Até então, cinco das 14 regiões do Estado já estavam na onda roxa. Mesmo nelas, a taxa de distanciamento social não chega a 45%, segundo o painel de monitoramento da SES-MG. A média do isolamento em Minas é de quase 39% atualmente, a mais baixa pelo menos desde julho de 2020.


 

Com informações do OTempo