‘Nós temos uma demanda de mais de 190 pacientes aguardando um leito de terapia intensiva’, diz médico do Comitê de Covid de BH

O médico infectologista Carlos Starling — Foto: Reprodução/TV Globo

O médico infectologista Carlos Starling — Foto: Reprodução/TV Globo

O médico infectologista Carlos Starling, que também é membro do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), disse à TV Globo que, somente na parte da manhã desta quarta-feira (24), havia mais de 190 pacientes com a doença esperando por uma vaga em leitos de terapia intensiva em hospitais da capital mineira.

“Nós temos, agora pela manhã, uma demanda de mais de 190 pacientes aguardando um leito de terapia intensiva, ou seja, é impossível acompanhar a demanda. A saída pra isso é as pessoas respeitarem as regras de isolamento social, distanciamento nas relações interpessoais, uso de máscara e as medidas de higiene que nós estamos insistindo com elas desde o início do ano. É fundamental que as pessoas tenham consciência do momento crítico que estamos passando atualmente”, fala, contundente.

Também nesta quarta, Minas Gerais bateu novo recorde de mortes e casos por Covid-19 em 24 horas. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), foram 374 óbitos notificados e 13.796 casos desde o último boletim.

Ainda de acordo com Starling, por causa das variantes do coronavírus, o tempo de internação nas unidades de saúde tem sido maior, principalmente, pelos pacientes serem mais jovens e resistirem mais às agressões do vírus.

O que diz a PBH

Leia a nota na íntegra:

“A Prefeitura informa que assim como todo o país, Belo Horizonte se encontra em uma situação grave em relação a pandemia da Covid-19. A Secretaria Municipal de Saúde trabalha de forma ininterrupta para que todos os pacientes sejam atendidos.

A taxa de ocupação de UTI Covid acima de 100% apresentada no Boletim Epidemiológico e Assistencial não indica que o número excedente represente fila. Segundo as instituições de saúde – públicas, filantrópicas e privadas –, que repassam os dados à Secretaria Municipal de Saúde para o acompanhamento da taxa de ocupação, estes pacientes além dos 100% estão internados nos hospitais utilizando todos os recursos que um paciente com esse perfil necessita, como insumos e equipamentos.

Todos os pacientes hospitalizados nas instituições da Rede SUS que necessitam de UTI já foram cadastrados na central de leitos, que funciona 24 horas, sete dias por semana, inclusive nos feriados.

A Prefeitura vem empreendendo todos os esforços para abrir novas unidades, somente neste mês foram 188, saltando de 283 UTIs Covid no dia primeiro, para as atuais 471. Atualmente a Rede SUS tem o maior número de leitos de UTI desde o início da pandemia. O máximo até então era 424 em agosto do ano passado.

Na segunda-feira, 22 de março, a Prefeitura anunciou novas medidas para ampliar e agilizar a assistência, como a abertura de nove unidades de atendimento 24h não Covid que irão apoiar as UPAs, atendendo a pacientes não respiratórios, com quadros de média e baixa complexidade”.

Restrição no comércio

 

Decreto proíbe abertura de uma série de estabelecimentos aos domingos em BH  — Foto: Danilo Girundi / TV Globo

Decreto proíbe abertura de uma série de estabelecimentos aos domingos em BH — Foto: Danilo Girundi / TV Globo

A PBH publicou na madrugada desta quarta-feira o decreto 17.572, que proíbe a abertura de uma série de estabelecimentos aos domingos, entre eles, supermercados, padarias, sacolões, lojas de materiais de construção.

Estes serviços poderão funcionar por delivery ou drivethru – neste caso, a regra só é válida para aqueles que possuem estacionamento internalizado.

Já farmácias, óticas, lojas de artigos ortopédicos postos de combustíveis poderão funcionar normalmente.

A medida foi tomada pelo Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19, baseada nas análises dos indicadores epidemiológicos e capacidade de assistência da rede de saúde de Belo Horizonte.

Veja o que não pode funcionar:

 

  • Padaria;
  • Comércio varejista de laticínios e frios;
  • Açougue e peixaria;
  • Hortifrutigranjeiros;
  • Minimercados, mercearias e armazéns;
  • Supermercados e hipermercados;
  • Tintas, solventes e materiais para pintura;
  • Material elétrico e hidráulico, vidros e ferragem;
  • Madeireira;
  • Material de construção em geral;
  • Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP);
  • Comércio atacadista da cadeia de atividades do comércio varejista da fase de controle;
  • Agências bancárias: instituições de crédito, seguro, capitalização, comércio e administração de valores imobiliários;
  • Casas lotéricas;
  • Agência de correio e telégrafo;
  • Atividades industriais;
  • Banca de jornais e revistas.

 

Veja o que pode funcionar:

 

  • Comércio varejista e atacadistas de artigos farmacêuticos;
  • Artigos farmacêuticos, com manipulação de fórmula;
  • Artigos de ótica;
  • Artigos médicos e ortopédicos;
  • Combustíveis para veículos automotores;
  • Comércio de medicamentos veterinários;
  • Serviços de alimentação, apenas para entrega em domicílio;
  • Restaurantes, lanchonetes e bares de hotéis, pousadas e similares; somente para hóspedes;

Fonte: Globo G1