Jackson Machado diz em audiência que mais de 200 pessoas esperam por um leito de UTI em BH

O secretário municipal de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado, disse nesta quarta-feira (31), durante audiência pública da Comissão de Saúde e Saneamento da Câmara Municipal, que mais de 200 pessoas esperam por vagas de UTIs na capital.

“Mesmo com as medidas tomadas pela Prefeitura, como a criação de 243 leitos de UTI apenas neste mês de março, o sistema de saúde da capital enfrenta grandes desafios para lidar com o alto número de contaminados pela doença, que já levou à morte 3.224 pessoas na cidade”.

De acordo com Machado, apesar de abrir leitos de UTI e enfermaria, contratar mais profissionais, adquirir insumos, implementar medidas de isolamento social, a solução para a grave crise da pandemia é a vacinação da população. Para garantir agilidade na imunização, o secretário informou que a PBH vem conversando com diversos laboratórios que produzem imunizante contra o novo coronavírus.

“As conversas mais promissoras estão sendo realizadas, atualmente, com a Fiocruz, que produz a vacina Oxford/AstraZeneca. A Fundação assegurou à Prefeitura que teria condições de entregar as vacinas sete dias após a assinatura do contrato de compra. O Executivo aguarda, contudo, que haja disponibilidade de entrega por parte da Fundação Oswaldo Cruz e que as vacinas adquiridas com recursos municipais possam ser utilizadas apenas em Belo Horizonte, sem que haja necessidade de repassar parte dos imunizantes para o governo federal”.

O presidente da Comissão de Saúde e Saneamento, Dr. Célio Frois (Cidadania), solicitou ao secretário que priorize os profissionais de saúde na vacinação contra a Covid-19, uma vez que este grupo está mais exposto ao vírus.

“Até agora 86.109 trabalhadores da saúde receberam a 1ª dose e 67.606 pessoas desse grupo já foram imunizados com a 2ª dose. Já entre profissionais e moradores de institutos de longa permanência para idosos, residências inclusivas e residências terapêuticas foram 6.530 vacinados com a 1ª dose e 11 com a 2ª. O maior contingente de vacinados até agora corresponde ao dos idosos de 69 anos ou mais. Já foram vacinados 168.120 idosos com a 1ª dose e 25.729 com a 2ª”.

O secretário explicou ainda que o “município não tem autonomia para definir quem será vacinado e que segue o programa nacional de vacinação e que o Ministério da Saúde que define qual a porcentagem de doses recebidas em cada remessa da vacina que poderá vir a ser destinada ao pessoal da área da saúde”.


 

Com informações do Hoje em Dia