Carro ou robô? Apple quer encontrar solução robótica para produzir primeiro carro da marca

Em meio a vários rumores da entrada no mercado automotivo em breve, pouco ainda se sabe oficialmente das verdadeiras intenções da Apple. Primeiramente, a possível parceria com a Hyundai/Kia acabou não acontecendo. Agora, a intenção de criar um carro segue, mas não sob qualquer circunstância. Quem revelou isso foi o CEO da empresa, Tim Cook, em uma entrevista a um podcast do jornal The New York Times. De acordo com ele, se a Apple fizer realmente um carro o foco do modelo estará na autonomia e nas assistências ao motorista, em vez de ser só mais um carro para o público comprar.

“Adoramos integrar hardware, software e serviços, e encontrar os pontos de intersecção deles. Pensamos que é aí que ocorre a mágica”, explicou Cook. “E é isso que amamos fazer. E adoramos possuir a tecnologia primária que está em torno disso.” “A autonomia em si é uma tecnologia central, na minha opinião. Se você meio que der um passo para trás, o carro, de várias maneiras, é um robô. Um carro autônomo é um robô. Então, há muitas coisas que você pode fazer com autonomia. E veremos o que a Apple faz.” Desta maneira, se vê claramente que o avanço tecnológico é importante para a gigante de eletrônicos em sua chegada ao mercado automotivo. A autonomia total, de nível 5, ainda está longe de sua chegada ao mercado, o que possivelmente poderá atrasar de maneira significativa o lançamento do veículo. Por isso, Cook afirmou que não trabalha com um prazo. “Investigamos muitas coisas internamente”, disse ele. “Muitas coisas nunca veem a luz do dia. Mas não estou dizendo que nunca verão.”

Polêmica com Elon Musk

Por fim, Cook não quis entrar na polêmica envolvendo o CEO da Tesla, Elon Musk.

Tim Cook, CEO da Apple e Elon Musk, CEO da Tesla Imagens: Shutterstock

Segundo Musk, a Apple se negou a fazer uma reunião com ele para discutir uma possível aquisição da Tesla no que chamou de “os dias mais sombrios” do Model 3. “Sabe, nunca falei com Elon, embora tenha grande admiração e respeito pela empresa que ele construiu. Eu acho que a Tesla fez um trabalho não apenas estabelecendo a liderança, mas mantendo a liderança por um longo período de tempo no espaço dos veículos elétricos. Portanto, tenho grande apreço por eles.”

Fonte: Uol

Waymo simula acidentes para testar carro autônomo

A Waymo, subsidiária da Alphabet que desenvolve veículos capazes de direção autônoma, usou batidas reais que aconteceram no Arizona para mostrar a segurança dos seus robôs. A empresa encenou vários acidentes fatais que ocorreram no período de dez anos, entre 2008 e 2017.

O que a companhia viu foi a redução de mortes a zero. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (8), no blog da Waymo. Nas simulações em que mais de um veículo estava envolvido no acidente, os carros usados pela companhia foram chamados de “iniciador”, quem causou a colisão, e “respondedor”, quem precisou desviar.

Foram simulados 72 acidentes que aconteceram perto de Phoenix, capital e maior cidade do Arizona. Como foram divididos entre “iniciador” e “respondedor”, o número total de testes subiu para 91. Vinte dos acidentes envolviam pedestres e ciclistas. Em 52 ensaios, o carro da Waymo atuou como o causador da colisão.

Motorista Waymo é o causador do acidente, mas o robô para no semáforo vermelho, evitando a colisão. Imagem: Waymo/Divulgação

Quando o carro pilotado pelo robô foi o iniciador, 100% dos acidentes foram evitados, até aqueles com pedestres e ciclistas envolvidos. A plataforma autônoma respondeu de forma bastante satisfatória. Os automóveis não colidem.

Trent Victor, diretor de pesquisa de segurança e melhores práticas, destacou que o motivo é simples: os robôs não dirigem embriagados ou com sono, além de seguir as leis de trânsito. Já no lugar de quem precisava responder à situação, os carros conseguiram desviar e, quando não foi o suficiente, reduzir a gravidade do acidente.

Nessa simulação, o Waymo é quem responde. O sistema percebe o que está acontecendo e prevê o movimento do iniciador, evitando a batida. Imagem: Waymo/Divulgação

A publicação ainda traz um dado alarmante. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 1,3 milhão de pessoas morrem anualmente em acidentes de carro no mundo todo. Para destacar a eficiência dos veículos autônomos, a Waymo lembrou ainda que 94% das colisões acontecem por erro humano.

“A segurança da tecnologia de direção autônoma é o resultado de um desenvolvimento cuidadoso e de avaliações e refinamento contínuos. Esse estudo é mais uma demonstração útil do potencial de segurança”, completa Trent Victor.


 

Via: The Verge / Mashable

Com informações do Olhar Digital