Moradores se unem contra a construção prédios altos no Vale dos Cristais

Construção de cinco torres de 15 andares gera impasse. Empreendimento estaria ferindo normas ambientais da região, diz AGVC

Moradores do Vale dos Cristais, em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, estão mobilizados e acionaram o Ministério Público para tentar barrar a autorização dada pela prefeitura para a construção de cinco novos prédios no bairro, cada um com 15 andares – um total de 300 apartamentos –, que estariam em desacordo com as normas ambientais.

Segundo o presidente da Associação Geral do Vale dos Cristais (AGVC), Luís Nepomuceno, o licenciamento ambiental aprovado pelo Estado é categórico em limitar que os empreendimentos familiares no bairro tenham, no máximo, quatro andares.

“Só poderiam ser erguidos prédios com quatro andares. Já imaginamos os impactos na região. Isto é totalmente incompatível com o licenciamento ambiental concedido no início dos anos 2000”, afirma Nepomuceno, que teme perder a vista definitiva para a natureza.

“Somos cercados por uma cadeia de montanhas, essa construção vai tapar nosso monumento natural. Essa área do Vale dos Cristais teria que ser preservada e cuidada pela prefeitura. E isso não está sendo feito”, lamentou.

Segundo Nepomuceno, o empreendimento é de responsabilidade das construtoras Patrimar e Somattos, com quem a AGVC, inclusive, realizou uma reunião para explicar a condição do local, mas nada foi feito.

“A Patrimar e a Somattos disseram desconhecer o licenciamento e que analisariam internamente as adequações no projeto. Depois do contato, não obtivemos mais resposta”, afirma o presidente da AGVC.

O que dizem os envolvidos

Por nota, a Prefeitura de Nova Lima alegou ontem que o local do novo empreendimento não se trata de área de preservação ambiental, conforme os parâmetros aprovados na Lei de Uso e Ocupação do Solo, do Plano Diretor de Nova Lima (Lei 2.007/2007) hoje vigente.

“O empreendimento foi aprovado para um lote de 71.563,81 m² após o licenciamento emitido pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), conclui a nota.

Ainda segundo a prefeitura, na última quinta-feira o prefeito João Marcelo Dieguez recebeu os representantes do Vale dos Cristais, ouviu todas as ponderações e ficou de avaliá-las no prazo de 30 dias.

Já a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) esclareceu que a concessão de alvará para o empreendimento é uma atribuição da Prefeitura de Nova Lima, e que informações referentes a tal documentação deve ser solicitadas junto ao órgão municipal.

Em relação ao licenciamento ambiental, a Semad afirmou à reportagem que o empreendedor requereu o licenciamento na secretaria e apresentou a documentação necessária para a formalização e obtenção de licença ambiental. A reportagem procurou também as construtoras Patrimar e Somattos, além do Ministério Público de Minas Gerais, mas não obteve retorno.


 

Com informações do OTempo