Museu de Itabira completa 50 anos

Instituição criada, em 29 de abril de 1971, prepara programação especial para celebrar a data.

O Museu de Itabira completará 50 anos no dia 29 deste mês. Para celebrar a data, a Prefeitura preparou uma programação online especial. Um vídeo contando a trajetória histórica do Museu já está em produção pela equipe de servidores da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Inovação e Turismo (SMDECTIT) – pasta mantenedora da instituição – e da Coordenadoria de Comunicação Social. O material será postado nas redes sociais oficiais do Município na terça-feira (27).

Na quarta-feira (28), às 19 horas, haverá uma Mesa Redonda Virtual sobre História e Patrimônio. O evento acontecerá por meio da plataforma Google Meet e contará com a participação dos museólogos Fernando Pacheco e Gabriela Santos, da historiadora Cecília Camilo e da pesquisadora Solange Duarte. A mediação será feita pelo gerente do Museu de Itabira, Rafael de Sá.

Com aproximadamente 40 minutos de duração, o bate papo abordará temas como a descoberta do Ouro de Aluvião em Itabira e a valorização do Patrimônio Histórico e Arquitetônico. O encontro discutirá ainda as leis de preservação do patrimônio e a importância de cada uma delas. Após a explanação de cada convidado, o mediador abrirá espaço para as perguntas do público.

Na quinta-feira (29), o prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage realizará uma transmissão online ao vivo (live) sobre os 50 anos de história do Museu de Itabira. Durante o evento, Marco Antônio anunciará algumas novidades sobre a instituição. Como de costume, a live será retransmitida nFacebook da Prefeitura de Itabira na página oficial do prefeito no Instagram, às 19 horas.

Saiba mais

O Museu foi criado em 1971, por meio da Lei Estadual Nº 5.664, como “Museu do Ferro”, tendo como principais objetivos pesquisar, recolher, classificar e expor os produtos característicos das jazidas de minério de ferro; e os objetos de valor histórico e artístico que se relacionem com a mineração e a siderurgia. Ainda de acordo com a Lei 5.664, em seu artigo 2º, o museu deveria ser instalado em um dos casarões históricos do município.

Somente em 1993, a entidade foi instalada, definitivamente, na antiga casa de Câmara e Cadeia de Itabira, à praça do Centenário, 116. Enfim, após 22 anos cumpria-se o artigo 2º da sua lei de criação.

Transição do Museu do Ferro para Museu de Itabira

Ainda na década 1990, o Museu assumiu um novo conceito sobre sua vocação ao buscar uma identidade mais próxima da história do município. Com isso, o Museu do Ferro se transformou no Museu de Itabira.

Em meados de 2010, o prédio foi fechado para reforma, sendo reaberto em 2018 com a exposição Uma Maravilha Itabirana: Elke. Na época, roupas, acessórios, objetos pessoais e fotos da artista foram expostos na parte superior do sobrado. O acervo, cedido pela família de Elke Maravilha com supervisão de sua irmã Francisca Grunnupp, chegou a Itabira por meio da ex-superintendente da FCCDA, Myriam Brandão (amiga da família e madrinha de Francisca) e inaugurou a primeira exposição oficial da artista no Brasil.

por Coordenadoria de Comunicação Social